22.06.2012 18:41
Bewerten
 (0)

Odebrecht Finance Ltd. -- Moody's atribui rating Baa3 às notas da Odebrecht

Sao Paulo, June 22, 2012 -- A Moody's Investors Service atribuiu ratings em moeda estrangeira Baa3 a USD 600 milhões em notas seniores sem garantia de ativos reais com vencimento em 2022 e a USD 400 milhões em notas seniores sem garantia de ativos reais com vencimento em 2042 emitidas pela Odebrecht Finance Ltd (Ilhas Cayman), uma subsidiária da Odebrecht S.A., e garantidas de maneira irrevogável e incondicional pela Construtora Norberto Odebrecht ("CNO"). A perspectiva do rating é estável. Os recursos líquidos das emissões serão utilizados principalmente para gerenciamento de dívida e investimentos adicionais de capital na Odebrecht Participações e Investimentos S.A. ("OPI") e Odebrecht Energia S.A. ("OE") para financiar projetos de infraestrutura em desenvolvimento que demandarão contribuição de cerca de USD 1 bilhão de 2012 a 2014.

Rating atribuídos:

Emissor: Odebrecht Finance Ltd. (Ilhas Cayman)

- USD 600 milhões em notas seniores garantidas, porém sem garantia de ativos reais, com vencimento em 2022: rating Baa3 em moeda estrangeira

- USD 400 milhões em notas seniores garantidas, porém sem garantia de ativos reais, com vencimento em 2042: rating Baa3 em moeda estrangeira

Ratings existentes:

Emissor: Construtora Norberto Odebrecht S.A.

- Rating de emissor sênior sem garantia de ativos reais: Baa3 (escala global); Aa1.br (escala nacional brasileira)

Emissor: Odebrecht Finance Ltd (Ilhas Cayman)

- USD 500 milhões em notas seniores garantidas, porém sem garantia de ativos reais, com vencimento em 2020: rating Baa3 em moeda estrangeira

- USD 800 milhões em notas seniores garantidas, porém sem garantia de ativos reais, com vencimento em 2023: rating Baa3 em moeda estrangeira

- USD 750 milhões em notas seniores perpétuas garantidas, porém sem garantia de ativos reais: rating Baa3 em moeda estrangeira

A perspectiva para todos os ratings é estável.

FUNDAMENTOS DO RATING

O rating das notas e a perspectiva estável supõem que os documentos finais da operação não serão materialmente diferentes da documentação legal analisada pela Moody's até o momento e assume que estes acordos sejam legalmente válidos, vinculantes e exequíveis.

O rating Baa3 da CNO reflete sua posição como a maior construtora na América Latina, beneficiando-se de uma posição de liderança nos principais mercados em que atua, a qual é sustentada por elevadas barreiras de entrada e forte experiência nos segmentos de engenharia e construção. A empresa tem uma política financeira conservadora que se traduz em fortes indicadores de cobertura de dívida em comparação com outras empresas globais do setor com ratings mais elevados. Enquanto a CNO tem um forte corpo diretivo com um sólido histórico de execução de projetos de elevada complexidade e tem uma ampla carteira de projetos suportando suas receitas no curto prazo, sua exposição considerável a países com risco político e volatilidade econômica, bem como o risco de transferência de caixa para a sua controladora para suportar investimentos da OPI e OE em novos projetos são fatores que limitam o rating. Os ratings de emissor e dívida sênior sem garantia de ativos reais Baa3 também incorporam a subordinação contratual da dívida sem garantia real à dívida garantida da CNO e a subordinação estrutural à dívida das subsidiárias e dos consórcios, os quais não dão garantias para as dívidas da CNO.

No 1T12, a CNO continuou reportando desempenho operacional robusto apesar das condições econômicas globais adversas e do crescimento menor do PIB no Brasil. A empresa expandiu sua carteira de contratos ("backlog") em 4,4% para USD 33,7 bilhões (37% referente a projetos no Brasil) em relação aos USD 32,3 bilhões em 2011 adicionando projetos de infraestrutura significativos, principalmente no exterior totalizando USD 5,5 bilhões, incluindo as adições aos projetos na mina de Moatize da Vale S.A. (Baa2/estável) e a estrada Cinta Costera no Panama, e novos projetos como a Gas Anaco na Venezuela, e as rodovias Cibao Sur e Ecovias na República Dominicana, elevando a participação na carteira de contratos internacionais. No Brasil, a CNO acrescentou USD 812 milhões em novos contratos e adições nos projetos existentes, embora a carteira no país tenha caído 5% no período como consequência da forte execução dos projetos atuais. Na realidade, as receitas brutas subiram 39% para USD 14,1 bilhões nos últimos doze meses findos em 31 de março de 2012 graças à forte expansão no exterior (+35% em relação ao mesmo período do ano anterior) e sustentadas principalmente por um crescimento de 45% nas receitas do Brasil.

A exposição aos países com elevado risco político é mitigada pelo fato de que 68% do risco de crédito pertencem a clientes com grau de investimento e 47% a países de grau de investimento. Para países com alto risco político, a CNO geralmente tem contas offshore e/ou depende de financiamento de agências e bancos públicos (BNDES, agências multilaterais, agências de crédito de exportação), o que reduz o risco de crédito e o risco de câmbio.

Apesar da pressão negativa geral sobre as margens do setor global de construção, a CNO conseguiu melhorar marginalmente a margem EBITDA reportada em comparação com o 1T11, para 10,2% de 9,9%, enquanto a geração de fluxo de caixa foi afetada negativamente pelo capital de giro e por uma redução dos adiantamentos dos clientes, o que também reflete a típica sazonalidade do começo do ano. Portanto, o Caixa Gerado nas Operações (FFO) sobre Dívida Total Ajustada (ajustada para garantias off-balance e dívidas com afiliadas do consórcio não consolidadas) caiu para 31% comparada com 40,5% no fim do ano fiscal anterior, mas não afetou os indicadores de alavancagem que permaneceram inalterados com Dívida Total Ajustada sobre EBITDA Ajustado de 2,1x. No entanto, em uma base pro-forma, considerando-se a emissão de USD 1 bilhão, Dívida Total Ajustada sobre EBITDA Ajustado atingiria 2,8x, entretanto, como parte do volume total será utilizado para gerenciamento de dívida, o real impacto na alavancagem será de aproximadamente USD 440 milhões, e a alavancagem, em uma base pro-forma (medida por Dívida Total Ajustada sobre EBITDA Ajustado) atingirá 2.4x, o que ainda está em linha com um rating de grau de investimento. A liquidez da CNO é boa, suportada por uma forte posição de caixa de BRL 4,9 bilhões em 31 de março de 2012, o que cobre 86% da dívida total ajustada de BRL 5,7 bilhões, além da total disponibilidade sob sua linha de crédito compromissada de USD 500 milhões.

A perspectiva estável reflete nossa opinião de que a CNO manterá uma administração de risco eficiente e uma política financeira prudente suportando uma liquidez saudável. Embora antecipemos que as receitas provavelmente se estabilizarão no nível atual e as margens operacionais serão mantidas no curto prazo, esperamos que a CNO administre os investimentos de capital e os dividendos a fim de manter indicadores de proteção de dívida fortes para a categoria de rating Baa3, mitigando, assim, os riscos inerentes às operações em países com risco político elevado e economias voláteis.

Os ratings ou a perspectiva poderiam sofrer pressão positiva caso a CNO consiga reduzir gradualmente sua exposição a países de alto risco com economias voláteis e instabilidade política, de modo que esses países no agregado sejam responsáveis por menos de 25% da carteira de projetos reportada trimestralmente. Além disso, uma pressão positiva deve vir com maior diversificação das receitas até que os 10 maiores projetos sejam responsáveis por menos de 25% (48% em 31 de março de 2012) do total, e uma elevação também exigiria que a CNO mantivesse indicadores de crédito fortes para a categoria de rating Baa3 com política financeira prudente e para administrar adequadamente investimentos de capital e dividendos a fim de sustentar uma liquidez saudável.

Os ratings ou a perspectiva poderiam sofrer pressão negativa caso os indicadores de crédito da CNO deteriorem, com Fluxo de Caixa Retido menos Investimentos de Capital sobre Dívida Total Ajustada (considerando uma posição de caixa mínima de USD 500 milhões) caindo abaixo de 20% (44% em 31 de março de 2012 LTM) sem expectativa de melhora no curto prazo, ou se a liquidez deteriorar, provavelmente causada pela transferência de caixa para suportar novos empreendimentos do grupo. Além disso, uma pressão negativa poderia advir do aumento significativo da dívida com garantia de ativos reais na CNO ou em suas subsidiárias, ou uma redução proporcional do percentual da geração de caixa ou dos ativos da CNO em relação às subsidiárias ou consórcios.

A última ação de rating da Moody's para a CNO ocorreu em 23 de março de 2011 quando atribuímos um rating Baa3 em moeda estrangeira às suas notas seniores garantidas, porém sem garantia de ativos reais, com vencimento em 2022 e 2023, cuja emissão foi concluída em abril de 2011.

A principal metodologia utilizada para atribuição de rating à CNO foi a Moody's Global Construction Industry Rating Methodology disponível no site da Moody's (www.moodys.com) no subdiretório Rating Methodologies na aba Research & Ratings.

Os Ratings em Escala Nacional da Moody's (NSRs) têm o intuito de serem avaliações relativas da idoneidade creditícia entre as emissões de dívida e os emissores de um dado país, a fim de permitir que os participantes do mercado diferenciem melhor os riscos relativos. Os NSRs são diferentes dos ratings globais da Moody´s pois não são globalmente comparáveis ao universo global de entidades classificadas pela Moody´s, mas apenas a NSRs de outras emissões e emissores classificados no mesmo país. Os NSRs são designados por um modificador ".nn" que indica o país relevante, como ".br" no caso do Brasil. Para maiores informações sobre a abordagem da Moody´s para ratings na escala nacional, consulte as Diretrizes para Implementação de Ratings da Moody´s publicadas em agosto de 2011 sob o título "Mapeamento dos Ratings na Escala Nacional da Moody´s para Ratings na Escala Global" ("Mapping Moody's National Scale Ratings to Global Scale Ratings").

A Construtora Norberto Odebrecht S.A. é a maior empresa de engenharia e construção da América Latina, com receitas líquidas de cerca de BRL 23,2 bilhões (USD 13,8 bilhões convertidos pelo câmbio médio) nos últimos doze meses findos em 31 de março de 2012 advindas principalmente de projetos de construção de grande escala incluindo rodovias, ferrovias, pontes, usinas de energia, túneis, metrôs, edifícios, instalações portuárias, barragens, plantas de fabricação e processamento, instalações industriais e de mineração.

A CNO é uma subsidiária da Odebrecht S.A. ("ODB"; sem rating), empresa de investimento de controle familiar para um dos maiores conglomerados não financeiros do Brasil que também controla a Braskem S.A. (Baa3, perspectiva estável), maior companhia química na América Latina, produzindo olefinas e poliolefinas. As receitas consolidadas da ODB atingiram BRL 66 bilhões (USD 39 bilhões) nos últimos doze meses findos em 31 de março de 2012, com 35% gerados pela CNO, 52% pela Braskem, e 13% por outras subsidiárias com atividades relacionadas principalmente aos setores de infraestrutura e energia. O grupo tem diversificado suas operações através de investimentos significativos nos setores de energia e petróleo e gás, bem como rodovias, saneamento e imóveis.

DIVULGAÇÕES REGULATÓRIAS

Os Ratings em Escala Global presentes neste comunicado que são emitidos por uma das afiliadas da Moody's não pertencentes à União Europeia são endossados pela Moody's Investors Service Ltd., One Canada Square, Canary Wharf, London E 14 5FA, UK, de acordo com o Artigo 4, parágrafo 3 da Regulação (EC) No. 1060/2009 das Agências de Rating de Crédito. Maiores informações sobre o status do endosso e sobre o escritório da Moody's que emitiu um Rating específico encontram-se disponíveis no www.moodys.com.

Para ratings atribuídos a um programa, série ou categoria/classe de dívida, este anúncio fornece divulgações regulatórias pertinentes a cada um dos ratings de títulos ou notas emitidas subsequentemente da mesma série ou categoria/classe de dívida ou de um programa no qual os ratings sejam derivados exclusivamente dos ratings existentes, de acordo com as práticas de rating da Moody's. Para os ratings atribuídos a um provedor de suporte, este anúncio fornece divulgações regulatórias pertinentes à ação de rating do provedor de suporte e referentes a cada uma das ações de rating dos títulos que derivam seus ratings do rating do provedor de suporte. Para ratings provisórios, este anúncio fornece divulgações regulatórias pertinentes ao rating provisório atribuído, e em relação ao rating definitivo que pode ser atribuído após a emissão final da dívida, em cada caso em que a estrutura e os termos da transação não tiverem sido alterados antes da atribuição do rating definitivo de maneira que pudesse ter afetado o rating. Para maiores informações, consulte a aba de ratings na página do respectivo emissor/entidade disponível no www.moodys.com.

As fontes de informação utilizadas na elaboração do rating de crédito são as seguintes: partes envolvidas nos ratings, partes não envolvidas nos ratings, informações públicas, e informações confidenciais e de propriedade da Moody's Investors Service.

A Moody's Investors Service considera a qualidade das informações disponíveis sobre o emissor ou obrigação como sendo satisfatória ao processo de atribuição do rating de crédito.

A Moody´s adota todas as medidas necessárias para que as informações utilizadas na atribuição de ratings seja de qualidade suficiente e proveniente de fontes que a Moody´s considera confiáveis incluindo, quando apropriado, fontes de terceiros. No entanto, a Moody´s não realiza serviços de auditoria, e não pode realizar, em todos os casos, verificação ou confirmação independente das informações recebidas nos processos de rating.

Consulte a página de divulgação de ratings em www.moodys.com para obter maiores informações a respeito de conflitos de interesse potenciais.

Consulte a página de divulgação de ratings em www.moodys.com para obter informações sobre (A) os principais acionistas da MCO (com participação acima de 5%) e (B) para ter acesso a mais informações sobre relações que possam existir entre os diretores da MCO e entidades classificadas assim como (C) os nomes das entidades que têm ratings da MIS que também reportaram publicamente à Securities and Exchange Commission dos EUA uma participação na MCO acima de 5%. Um membro do conselho de administração da entidade classificada também pode ser membro do conselho de administração de um acionista da Moody's Corporation; no entanto, a Moody's não verificou esse assunto de maneira independente.

Consulte os "Símbolos e Definições de Rating da Moody's" na página de Processo de Rating no www.moodys.com para obter mais informações sobre o significado de cada categoria de rating, além da definição de default e recuperação.

Consulte a aba de ratings na página do emissor/entidade no www.moodys.com para visualizar o histórico e a última ação de rating deste emissor.

A data em que alguns Ratings foram atribuídos pela primeira vez diz respeito a uma época em que os ratings da Moody's não eram integralmente digitalizados e pode ser que os dados precisos não estejam disponíveis. Consequentemente, a Moody's fornece uma data que acredita ser a mais confiável e precisa com base nas informações que são disponibilizadas. Consulte a página de divulgação de ratings em nosso website www.moodys.com para obter maiores informações.

Consulte o www.moodys.com para atualizações ou alterações sobre o analista líder e a entidade legal da Moody's que emitiu o rating.

Barbara MattosAsst Vice President - Analyst Corporate Finance Group Moody's America Latina Ltda. Avenida Nacoes Unidas, 12.551 16th Floor, Room 1601Sao Paulo, SP 04578-903 Brazil JOURNALISTS: 800-891-2518 SUBSCRIBERS: 55-11-3043-7300Brian Oak MD - Corporate Finance Corporate Finance Group JOURNALISTS: 212-553-0376 SUBSCRIBERS: 212-553-1653 Releasing Office: Moody's America Latina Ltda. Avenida Nacoes Unidas, 12.551 16th Floor, Room 1601Sao Paulo, SP 04578-903 Brazil JOURNALISTS: 800-891-2518 SUBSCRIBERS: 55-11-3043-7300(C) Direitos autorais 2012, Moody's Investors Service, Inc., e/ou suas licenciadas, sociedades controladoras, sob controle comum ou controladas (em conjunto, a "MOODY'S"). Todos os direitos reservados.

OS RATINGS ATRIBUIDOS PELA MOODY'S INVESTORS SERVICE, INC. ("MIS") E SUAS CONTROLADORAS, CONTROLADAS E ENTIDADES SOB CONTROLE COMUM SAO OPINIOES ATUAIS DA MOODY'S SOBRE O FUTURO RISCO DE CREDITO RELATIVO DAS ENTIDADES, COMPROMISSOS DE CREDITO, TITULOS DE DIVIDA E SIMILARES, E OS RATINGS DE CREDITO E AS PESQUISAS PUBLICADAS PELA MOODY'S ("PUBLICACOES DA MOODY'S") PODEM INCLUIR OPINIOES ATUAIS DA MOODY'S SOBRE O FUTURO RISCO DE CREDITO RELATIVO DE ENTIDADES, COMPROMISSOS DE CREDITO, TITULOS DE DIVIDA E SIMILARES. A MOODY'S DEFINE O RISCO DE CREDITO COMO O RISCO DE UMA ENTIDADE NAO CUMPRIR COM SUAS OBRIGACOES PECUNIARIAS CONTRATUAIS NO SEU VENCIMENTO E QUALQUER PERDA FINANCEIRA ESTIMADA NO CASO DE DESCUMPRIMENTO. OS RATINGS DE CREDITO NAO DIZEM RESPEITO A NENHUM OUTRO RISCO, INCLUINDO - MAS NAO LIMITADOS A: RISCO DE LIQUIDEZ, DE VALOR DE MERCADO, OU DE VOLATILIDADE DE PRECOS. OS RATINGS E OPINIOES CONTIDAS NAS PUBLICACOES DA MOODY'S NAO SAO DECLARACOES SOBRE FATOS ATUAIS OU HISTORICOS. OS RATINGS E AS PUBLICACOES DA MOODY'S NAO CONSTITUEM NEM FORNECEM CONSELHOS FINANCEIROS OU DE INVESTIMENTO, E OS RATINGS E PUBLICACOES DA MOODY'S NAO SAO E NAO FORNECEM RECOMENDACOES PARA COMPRA, VENDA, OU DETENCAO DE UM DETERMINADO TITULO. OS RATINGS E AS PUBLICACOES DA MOODY'S TAMBEM NAO FORNECEM RECOMENDACOES SOBRE A ADEQUACAO DE UM INVESTIMENTO PARA UM DETERMINADO INVESTIDOR. A MOODY'S ATRIBUI SEUS RATINGS E DIVULGA SUAS PUBLICACOES COM A EXPECTATIVA E ENTENDIMENTO DE QUE CADA INVESTIDOR FARA SEU PROPRIO ESTUDO E AVALIACAO DE CADA TITULO QUE ESTIVER CONSIDERANDO COMPRAR, DETER OU VENDER.

TODAS AS INFORMACOES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SAO PROTEGIDAS PELA LEGISLACAO, INCLUSIVE A DE DIREITOS AUTORAIS, E NAO PODEM SER COPIADAS, REPRODUZIDAS, TRANSMITIDAS, DIVULGADAS, REVENDIDAS OU ARMAZENADAS PARA USO SUBSEQUENTE PARA QUALQUER DESSES FINS, NO TODO OU EM PARTE, DE QUALQUER FORMA OU MEIO, POR QUALQUER PESSOA, SEM O CONSENTIMENTO PREVIO, POR ESCRITO, DA MOODY'S. Todas as informacoes contidas neste documento foram obtidas pela MOODY'S junto a fontes que ela considera precisas e confiaveis. Devido a possibilidade de erro humano ou mecanico, bem como a outros fatores, contudo, essas informacoes sao fornecidas no estado em que se encontram, sem garantia de qualquer tipo. A MOODY'S toma todas as medidas necessarias para que a informacao utilizada para a atribuicao de ratings de credito seja de qualidade suficiente e provenha de fontes confiaveis; contudo, a MOODY'S nao realiza, e nao pode realizar, em todos os casos, verificacao, auditoria ou confirmacao independente das informacoes recebidas nos processos de rating. Em nenhum caso a MOODY'S sera responsavel perante qualquer pessoa, fisica ou juridica, por (a) perdas ou danos causados, sofridos ou relacionados, no todo ou em parte, a erro (por negligencia ou outros fatores) ou circunstancias diversas, dentro ou fora da esfera de controle da MOODY'S ou de seus diretores, administradores, empregados ou agentes, em relacao a obtencao, compilacao, analise, interpretacao, comunicacao, publicacao ou transferencia dessas informacoes, ou (b) danos diretos ou indiretos de qualquer natureza (incluindo, sem limitacao, lucros cessantes), resultantes do uso ou incapacidade de usar essas informacoes, mesmo se a MOODY'S for avisada com antecedencia sobre a possibilidade de ocorrencia desses danos. Os ratings, analises de relatorios financeiros, projecoes e outras observacoes, se houver, constituirao parte das informacoes contidas neste documento, e deverao ser interpretados somente como manifestacao de opiniao, e nao como declaracao de fato ou recomendacao para a compra, venda ou detencao de valores mobiliarios e titulos. Cada usuario das informacoes aqui contidas devera realizar seu proprio estudo e avaliacao dos valores mobiliarios e titulos que considere comprar, deter ou vender. A MOODY'S NAO PRESTA NENHUMA GARANTIA, EXPRESSA OU IMPLICITA, QUANTO A PRECISAO, ATUALIZACAO, COMPLETUDE, VALOR COMERCIAL OU ADEQUACAO A QUALQUER FIM ESPECIFICO DE QUALQUER RATING, OUTRA OPINIAO OU INFORMACAO.

A MIS, uma agencia de rating de credito, subsidiaria integral da Moody's Corporation ("MCO"), neste ato divulga que a maioria dos emissores de titulos de divida (incluindo titulos corporativos e municipais, debentures, notes e notas promissorias) e de acoes preferenciais classificados pela MIS se obrigou, antes da atribuicao de qualquer rating, a pagar a MIS, por servicos de avaliacao e rating por ela prestados, honorarios de US$1.500 a aproximadamente US$2.500.000. A MCO e a MIS mantem politicas e procedimentos a fim de preservar a independencia dos ratings e dos processos de rating da MIS. Sao incluidas anualmente no website www.moodys.com, sob o titulo "Shareholder Relations -- Corporate Governance -- Director and Shareholder Affiliation Policy.", informacoes acerca de relacoes societarias que possam existir entre diretores da MCO e entidades classificadas por ratings, e entre entidades que possuem ratings da MIS e que tambem informaram publicamente a SEC (Security and Exchange Commission -- EUA) deter participacao acionaria maior que 5% na MCO.

A publicacao deste documento na Australia sera feita pela sociedade integrante do grupo da MOODY's, a Moody's Investors Service Pty Limited ABN 61 003 399 657, detentora da Australian Financial Services License (Licenca para Servicos Financeiros da Australia) n 336969. Este documento deve ser fornecido apenas para "wholesale clients" (clientes de atacado), de acordo com o significado definido pela section 761G do Corporations Act de 2001 (Lei Societaria Australiana de 2001). Ao continuar a acessar este documento a partir da Australia, voce declara e garante a MOODY'S que e, ao acessar este documento, um cliente de atacado ou um representante de um cliente de atacado, e que nem voce nem a entidade que representa irao, direta ou indiretamente, disseminar este documento ou seu conteudo para "retail clients" (clientes de varejo), de acordo com o significado definido pela section 761G do Corporations Act de 2001 (Lei Societaria Australiana de 2001).

* Este documento foi preparado originalmente em ingles e posteriormente traduzido para diversas outras linguas, inclusive o portugues. Em caso de divergencia ou conflito entre as versoes, a versao original em Ingles prevalecera.

Nao obstante o que fora mencionado acima, os ratings de credito atribuidos em 1 de outubro de 2010, ou a partir desta data, pela Moody's Japan K.K. ("MJKK") sao opinioes atuais da MJKK do risco de credito relativo futuro das entidades, compromissos de credito, titulos de divida ou semelhantes. Nesse caso, "MIS" deve ser considerada nas afirmacoes supracitadas como sendo substituida por "MJKK".

MJKK e uma agencia de rating subsidiaria integral do Moody's Group Japan G.K., que e controlado integralmente pela Moody's Overseas Holdings Inc., uma subsidiaria integral da MCO.

Este rating de credito e uma opiniao em relacao a idoneidade crediticia ou a obrigacao de divida do emissor, e nao diz respeito a acoes do emissor ou qualquer forma de titulos disponiveis para investidores de varejo. Seria arriscado para os investidores no varejo tomarem decisoes sobre investimentos com base neste rating de credito. Em caso de duvidas, deve-se contatar um consultor ou profissional financeiro.

Artikel empfehlen?

Nachrichten zu Vale SA

  • Relevant
  • Alle
  • vom Unternehmen
  • Peer Group
  • ?
Um Ihnen die Übersicht über die große Anzahl an Nachrichten, die jeden Tag für ein Unternehmen erscheinen, etwas zu erleichtern, haben wir den Nachrichtenfeed in folgende Kategorien aufgeteilt:

Relevant: Nachrichten von ausgesuchten Quellen, die sich im Speziellen mit diesem Unternehmen befassen
Alle: Alle Nachrichten, die dieses Unternehmen betreffen. Z.B. auch Marktberichte die außerdem auch andere Unternehmen betreffen
vom Unternehmen: Nachrichten und Adhoc-Meldungen, die vom Unternehmen selbst veröffentlicht werden
Peer Group: Nachrichten von Unternehmen, die zur Peer Group gehören

RSS Feed

Analysen zu Vale SA

  • Alle
  • Buy
  • Hold
  • Sell
  • ?
20.11.2012Vale SA neutralSarasin Research
04.10.2012Vale SA holdBB&T Capital Markets
05.09.2012Vale SA overweightMorgan Stanley
02.07.2012Vale SA neutralSarasin Research
11.05.2012Vale SA overweightMorgan Stanley
05.09.2012Vale SA overweightMorgan Stanley
11.05.2012Vale SA overweightMorgan Stanley
30.11.2011Vale SA overweightBarclays Capital
01.11.2011Vale SA overweightBarclays Capital
20.11.2012Vale SA neutralSarasin Research
04.10.2012Vale SA holdBB&T Capital Markets
02.07.2012Vale SA neutralSarasin Research
18.01.2012Vale SA sector performRBC Capital Markets
23.11.2011Vale SA sector performRBC Capital Markets
Keine Nachrichten im Zeitraum eines Jahres in dieser Kategorie verfügbar.
Eventuell finden Sie Nachrichten die älter als ein Jahr sind im Archiv
Um die Übersicht zu verbessern, haben Sie die Möglichkeit, die Analysen für Vale SA nach folgenden Kriterien zu filtern.

Alle: Alle Empfehlungen
Buy: Kaufempfehlungen wie z.B. "kaufen" oder "buy"
Hold: Halten-Empfehlungen wie z.B. "halten" oder "neutral"
Sell: Verkaufsempfehlungn wie z.B. "verkaufen" oder "reduce"

Für den Live-Chat können Sie sich mit Ihrem finanzen.net-, Facebook- oder Twitter Account anmelden. Um immer die neusten Beiträge zu sehen, stellen Sie bitte "Neuesten" ein.

Private Krankenversicherung Tarifvergleich

Heute im Fokus

DAX schließt unter 9.000 Punkten -- 25 Banken sollen Stresstest nicht bestanden haben -- US-Börsen leicht im Plus -- Ford, BASF, Amazon, Microsoft im Fokus

Apple will Beats-Musik-App in iTunes aufgehen lassen. Deutsche Bank leidet unter Rückstellungen. S&P hebt Bonitätsnote von Zypern an. Ryanair-Chef unterschreibt für fünf weitere Jahre. FMC besorgt sich 900 Millionen US-Dollar am Bondmarkt. Chiquita lässt Fyffes-Fusion platzen. Cameron: Werden Milliarden-Rechnung aus Brüssel nicht bezahlen.
Diese Aktien sind auf den Kauflisten der Experten

So platzieren sich die Deutschen

Die öffentliche Verschwendung

Umfrage

Verkehrsminister Dobrindt erwägt scheinbar, die Pkw-Maut vorerst nur auf Autobahnen einzuführen. Was halten Sie von diesem Rückzieher?

Anzeige